Publicado por: Amauri Nolasco Sanches Junior e Marley Cristina Felix Rodrigues | 17 de março de 2014

O COB e a ética roussouniana

Essa foto mostra o desrespeito das pessoas com deficiência e o estrago que pode causar mostrando a Lais Souza com vários artistas com cara de "idiotas" no fundo

Essa foto mostra o desrespeito das pessoas com deficiência e o estrago que pode causar mostrando a Lais Souza com vários artistas com cara de “idiotas” no fundo

Jean Jaques Rousseau foi um pensador que viveu no século dezoito e fundou uma nova maneira de educação, onde seu livro Emilio é seu total representante. Eu invoco Rousseau por causa da reportagem inúmeras que venho lendo nesses últimos tempos na imprensa brasileira, uma delas e a mais ridícula é o COB (Comitê Olimpico Brasileiro) idealizou uma campanha para sensibilizar as pessoas ao tratamento de Lais de Souza. Explorando, lógico, a imagem do “coitadismo” que a sociedade ainda nos exerga e que ainda, temos uma educação hipócrita que devemos ajudar e que ela não tem culpa de tal fato. Vamos a duas reflexões; primeiro a Lais estava em treinamento de um evento de responsabilidade do COB, então, o COB tem que arcar com o tratamento que é claro dentro das leis trabalhistas. Segundo; muito provavelmente, a família da atleta não mora “embaixo de uma ponte”, certamente teriam condições de arcar pelo menos uma AACD, então, há nisso um discurso hipócrita que o segmento das pessoas com deficiência, deveria sim, pelo menos, mandar um e-mail para o COB exigindo explicações.

Sinceramente, não vejo campanhas com tanto empenho a não ser de cunho eleitoral e claro, de cunho artístico promocional, para entidades que recebem milhões de seus associados e por ai vai. Não temos uma cultura que nos empenhamos com estudos e adquirir conhecimento, para não entrar nessas falácias e aprenderem a não cair nessas “enrascadas”. Já no site do COB (aqui), se vê a sede do órgão que não é barata para manter e ai que entra a ética de Rousseau e sua demagogia, já que falou tanto de educação, mas deixou muitos filhos por ai em instituições. Para ele o ser humano é bom, mas a sociedade que o corrompe e que lhe ensina que a propriedade privada (terras ou outro bem), lhe pertença. Ora, índios fazem guerra e também, sejam das Américas ou da Africa, matam, comem seu inimigo, também praticam casamento com meninas novas, também tem “coroinhas” para os sacerdote. Então a reflexão é muito menos simplista do que parece, porque a visão rousseauniana é que o homem é bom em em sua essência (no meio da natureza) e a sociedade que o corrompe. Mas se a sociedade o corrompe, o que pesquisas de antropólogos e vestígios inúmeros diz das guerras primitivas? Então o ser humano não é bom e sim, enxerga somente o bem que os seus próprios interesses podem alcançar. Vamos ter que buscar o filósofo Sócrates para entendemos, se você não acha que isso nada tem a ver com inclusão de deficientes, então, você não acredita na verdadeira inclusão.

Sócrates dizia que o bem é alcançado pela prática e ele visa não prejudicar o outro, não adianta, por exemplo, ajudar a Lais enquanto milhares de pessoas com deficiência não tem cadeiras de rodas ou aparelhos diversos, não tem tratamentos adequados, não tem nem condições de ter uma casa descente (o governo diria do financiamento, mas esse financiamento do banco do brasil só vale quem tem 5 salários mínimos, mas se você tem 5 salários mínimos, compra fácil uma casa). Aliás, Sócrates diria que todos estão ali na imagem para suas próprias imagens serem promovidas e não ajudam nada, como na campanha do Teleton que não passa de indivíduos que promovem campanhas por causas próprias e outras pessoas precisando. Na verdade, de repente, a maneira de se fazer essas campanhas são errôneas e não podem ficam a merce de interesses, pois afinal, quantas pessoas com deficiência são agraciadas com esse mesmo intuito? Dai entramos em Hobbes, que o homem é o lobo do próprio homem, porque o ser humano é egoísta e busca satisfazer seus próprios prazeres por causa de seus próprios interesses. Talvez ai sim, para satisfazer seus próprios interesses, concordam em enganar e quando se engana e almeja sua própria vontade, se deve ter a guerra para colocar cada coisa em seu lugar. Os governantes absolutistas sabiam disso, a Alexandre Magno ao terceiro Reich, eram apenas controle de um Estado falido que deveria se erguer e deveria se contrapor em massacles desnecessários e mortes por um discurso que só era a natureza humana. A guerra de todos contra todos começa quando seus interesses são contrariados, o prazer lhe é negado e o argoz só é um “fantoche” de seus próprios interesses. O lobo nesse caso, só quer se alimentar, mas quando outros lobos lhe robam as “ovelhas” eles começam atacar outros lobos.

Então fica fácil contra balancear o pensamento de Hobbes e o de Rousseau, pelo menos, em setores do segmento das pessoas com deficiência. Todas as pessoas são educadas conforme sua cultura, não importa que tenham ou não deficiência, mas recebem valores que estão enraizados dentro da moral de um povo. Se recebe que homem e o “garanhão” e deve “pegar” todas as mulheres, vai ser sem vergonha com ou sem deficiência, se tem que se aproveitar do outros, vai ser explorador com ou sem deficiência. O maior problema são os valores que as famílias passam e que reflete de um modo geral a cidadania e essa cidadania que faz uma nação, se houvesse campanhas no mesmo patamar que vimos da Lais de Souza, não teria tantas pessoas com deficiência precisando de tratamento e aparelhos diversos. Qual o verdadeiro intuito da campanha? Mostrar que somos dependentes de uma sociedade mentirosa que até alguns do próprio segmento se vendem, que muitos de nós, só pensa em seu próprio intuito de alcançar o poder e quando alcançam, nada fazem. Na verdade não temos uma democracia verdadeira, não temos a liberdade verdadeira, não temos ao menos, o direito de pensar o que queremos. E tem pessoa com deficiência preocupado com futebol, tem muito de nós preocupado com baladas, tem muitos de nós preocupados em suas patéticas vidas e seus pequenos movimentos encantados, que ainda brincam de “chefinho mandou”.

Me dá “asco” ver campanhas que mais promovem do que reduzem o sofrimento, fazem da imagem das pessoas com deficiência como sofredores, fazer do mundo uma tragédia. Não vejo no olhar de “pena” nem a Lais de Souza, nem o Gerson Brenner, nem ninguém que se tornou pessoa com deficiência, são seres humanos aprendendo a administrar a nova condição e não sofredores. Lógico que ninguém quer ter limitações, mas todas as limitações não são obstáculos e sim, cordas de um grande estilingue que nos fazem ir cada vez mais longe. Eu gostaria de ser solidário, mas não dá para ser solidário por uma pessoa que pode, se existe milhões outras que não podem. Por exemplo, minha noiva é cadeirante, está sem cadeira de rodas, está sem nenhuma condição de fazer nada porque sua casa não tem nenhuma adaptação por ser de aluguel, não tem direito de fazer nenhum curso porque o ATENDE fica na perseguição (por causa que lutamos contra o aniquilamento dos “Eventuais” que acabou caindo nos taxis graças a conivência da Secretária dos Direitos das pessoas com deficiência e mobilidade reduzida), sem o direito de ter seus sonhos realizados por conta de sua pobreza. Não é uma questão de poder ou não, as necessidades são relevantes, a necessidade de se ter uma cadeira de rodas é muito importante, porque são nossas pernas. Então, por que só a Lais tem esse direitos se milhões se privam dessa necessidade? Duvido que algum dia, esses mesmos artistas, nos limite a dar o ar da graça.

Enquanto isso, fiquem com suas vidas medíocres, afinal, o lobo estará a sua espera.

Amauri Nolasco Sanches Junior – filosofo da inclusão, técnico de informática, publicitário e pessoa com deficiência física, cadeirante

 

Anúncios

Responses

  1. Acessibilidade é um DIREITO para todos não só atletas !


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: