Publicado por: Amauri Nolasco Sanches Junior e Marley Cristina Felix Rodrigues | 8 de junho de 2010

espiritualidade e deficiência

Estava aqui pensando em um video que eu vi no you tube em uma entrevista com Nick Vujicic, onde ele diz ser um servo de Deus. É um cristão fervoroso que diz que não se matou porque Deus mostrou a ele porque nasceu sem os braços e as pernas, mostrando o quanto podemos superar algumas dificuldades e não se desesperar e nesse desespero tentar suicidio. O desespero é apenas a porta que não conseguimos ver, a espiritualidade por mais que se tentam mostrar, e algo muito mais mistico do que muita coisa que pensamos saber, o suicidio é o desespero em seu “cume” mais auto e desesperador ao ponto de acabar com tudo isso. A entrevista com Nick, nos mostra como estamos errados em querer padronizar as pessoas, que nem sempre o que a maioria pensa, é o melhor para a humanidade. Se não pudermos ser “perdeitos”, então não somos humanos? Se não gostarmos das mesmas coisas ou não seguimos uma cultura ou não professarmos a mesma fé, estamos fora o que a humanidade diz ser “normal”?

Vamos deixa bem claro que nós não somos perfeitos, pois ainda não encontramos a perfeição real. Na minha concepção, talvez até platônica, a perfeição não é o corporal e sim espiritual que é além daquilo que podemos conceber hoje. Como disse Nick na entrevista, somos pessoas com deficiência porque nosso espirito é forte, pois se não fomos fortes, não aguentamos o corpo deforme ou as dificuldades que o mundo nos trazem. Isso que foi mostrado e é isso que somos forçados a pensar em nossa condição e as vezes, pensar que não estamos aqui “atoa” e sim com um propósito. Na minha concepção, somos meras cópias de algo muito mais grandioso e que longe de rituais que dês de pequenos, somos forçados a acreditar.

Daí inevitavelmente, vem aquela pergunta: por que somos forçados? Somos forçados porque nossa cultura vem de acreditar em perfeições que só o ser humano acredita, mas não é a perfeição universal. O universo não é perfeito como o ser humano “acha” que ele é, não temos a perfeição humana, temos a perfeição universal que hemana do Criador (embora não goste de pôr adjetivos). Existe milhões de Nicks por aí que são tão “chumbados” quanto eles, não tem nada demais nascer sem braços, não tem nada demais nascer sem andar ou fazer o que os “outros” querem que façamos, isso nos fazem singulares. Que se dane o que os “outros” façam, não quero ser igual os “outros”, mas temos que ser. Por que “temos” que “ser”? Porque assim que é as regras da cultura, as regras que fizeram o ser humanos seres unicos, mas que não devendamos a principal pergunta da Esfinge. O ser humano é sim a medida de todas as coisas, aquelas que é e o que não é.

O “ser” e não “ser” são concepções humanas e não universais, mas, quando dizemos que tudo está conectado, é uma concepção correta. A grande questão de Shakespeare e que foi tirado dos anais da filosofia, que nos fazem pensar muito, também e tem tudo a ver com nosso intimo de “chumbados” que nós somos, a unica certeza que temos é o que nós somos verdadeiramente. Nick não esperou ninguém dizer para ele o que deveria de fazer, não esperou os próprios pais chegarem nele e aceitarem sua condição de “chumbado”, ele provou na pratica que poderia vencer por ele mesmo. Se não lutarmos pelo nossos sonhos, se não lutarmos pelo nossos objetivos, quem irá lutar? Muitos “chumbados” vivem em um mundo de sonhos, um mundo que para eles, está muito bom, não querem ser o que são e se acomodam a sua vida.

A espiritualidade não é rezar ou orar, mesmo que muitos dizem orar, Jesus não quis nenhum ritual e sim quis que as pessoas fizessem na pratica, fizessem que o mundo ficasse muito melhor para se viver. Vida essa que temos que tomar um rumo, tomar decisões que as vezes ou quase sempre, temos que tomar para melhorarmos e aprendemos a viver na melhor maneira possivel. Por isso eu digo, não basta milhões de rampas, milhões onibus adaptados, se o próprio “chumbado” tem pena de sua própria condição e nem sempre a sociedade que o faz assim, a própria familia tem essa sub proteção. Vamos acordar desse “país das maravilhas” e dizer ao mundo que existimos? Vamos seguir o exemplo de Nick Vujicic?

Votem em nosso livro e ajudem a vencermos no concurso de literatura contemporânea no site Clube de Autores>>>http://premio.clubedeautores.com.br/web/site_premio/votar.php?id=18953

Comprem nosso livro também no Clube de Autores: http://clubedeautores.com.br/book/18953–Liberdade_e_Deficiencia_

Anúncios

Responses

  1. Querido,

    Leio todas as mensagens do seu blog e hoje te mando um grande e carinhoso abraço.

    Você tem razão, somente espíritos fortes é que reencarnam
    com algumas deficiências e o nosso Pai, com certeza, espera que com os seus exemplos possam ensinar aqueles, que sem nenhuma deficiência, não conseguem carregar o seu fardo.

    Beijos, um milhão de beijos.

    • muito obrigado Hannah, é muito bom receber elogios de uma pessoa tão sábia como você…muitos beijos


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: